Título

Glicoproteína S

Partilhar

Descrição

O coronavírus SARS-CoV-2 deve o seu nome ao facto de ter uma forma esférica da qual as espículas se projetam, dando a aparência de uma coroa. O conhecimento da estrutura tridimensional da glicoproteína espicular S é de importância vital para o desenvolvimento de vacinas e antivirais que ajudam a combater a doença. Esta glicoproteína é responsável pela aparência em forma de coroa e causa infeção por vírus nas células epiteliais do sistema respiratório, uma vez que reconhece e se liga aos recetores hACE2 (do inglês human Angiotensin-converting enzyme 2), uma enzima ligada à superfície externa das células que diminuem a pressão sanguínea da célula hospedeira.

A glicoproteína S é um trímero, e cada um dos monómeros tem duas subunidades S1 e S2. A subunidade S1 atua como uma junta com duas conformações e a sua função é interagir com o recetor do hospedeiro, iniciando a infeção. A subunidade S2 medeia a fusão do virião e da membrana celular, agindo como uma proteína de fusão viral.

Na representação da imagem, a glicoproteína S é mostrada como uma superfície molecular branca, com uma parte destacada a vermelho, correspondendo à conformação que interage com o recetor do hospedeiro. Os hidrocabonetos ligados às proteínas são representados em verde limão.

Esta imagem foi criada a partir de coordenadas disponibilizadas no Protein Data Bank (ficheiro PDB 6VSB).

Classificação

Localização

Data de Publicação

1 de Junho de 2020

Nº de visualizações

296

Resolução

3500px X 2333px

Formato

.jpg

Tipo De Imagem

Fotografias

Licença de utilização Creative Commons CC BY-NC-SA 4.0

Imagens Relacionadas